Livro mostra mudanças nos costumes das famílias guarapuavanas ao longo de quase um século

segunda-feira, 8 de abril de 2019

Eli Cebulski pesquisou aspectos morais e legais da constituição familiar


A família é espelho da sociedade na qual vivemos ou a sociedade evolui conforme nossas famílias se modificam?
Em busca de respostas, a pesquisadora Eli Cebulski mergulhou na história, mais precisamente na identificação de aspectos legais e morais das famílias guarapuavanas na década de 1930. Eli foi além, fez uma análise comparativa com as mudanças na legislação ao longo do século, abarcando a realidade familiar do início dos anos 2000.
O resultado do trabalho chegou às bancas neste mês de março. Trata-se do Livro Aspectos legais e morais - Constituição Familiar: estudo comparativo entre a família brasileira da década de 1930 e a família moderna do início do século XXI.
Na obra, a autora ressalta uma Guarapuava de tradições e costumes conservadores. Era muito comum, por exemplo, o uso "do vela" para o sucesso dos relacionamentos, isso mesmo, "vela" era o apelido dado à pessoa
encarregada de vigiar o namoro. Na época, não se admitia que os namorados ficassem a sós. Caso isso ocorresse, a moça poderia ficar "mal falada".

O namoro só acontecia com a permissão dos pais e desde muito cedo as moças preparavam o enxoval para o casamento. O objetivo de boa parte dos casais era ter a casa cheia de filhos, bem diferente dos nossos dias.
Eli Cebulski é formada em Direito e trabalha na Faculdade Guarapuava. A ideia do livro surgiu a partir de um artigo publicado na Revista Eletrônica da FG. Nós convidamos a autora para falar um pouco mais sobre a obra.

Como surgiu o interesse e foi feita a pesquisa para o livro?


O livro reflete, na íntegra, a pesquisa realizada para o TCC, Trabalho de Conclusão do Curso de Direito, feito no ano de 2012. A iniciativa de publicar foi da própria Editora que consultou a Revista Eletrônica da 
Faculdade Guarapuava e enviou um e-mail questionando sobre minha vontade de divulgar a pesquisa, pois o tema é de interesse para outras comunidades. A partir daí, segui os procedimentos necessários passo a
passo, sendo apoiada integralmente pela Editora. Hoje, o livro é uma realidade.

Que outras curiosidades você destaca sobre a sociedade guarapuavana da década de trinta?

Eli: O convívio entre familiares e amigos era exemplar e duradouro. O cotidiano pautado em atividades simples e rotineiras, mas prazerosas e saudáveis. Havia respeito e felicidade nos lares.

Na sua perspectiva, o que ficou no passado e faz falta nos relacionamentos familiares atuais?


Eli: Reflexão, comprometimento, presença, passividade, tempo para dialogar e, especialmente, religiosidade. O cultivo do amor e respeito ao próximo, a partir do ambiente familiar, é uma base sólida para refletir bons resultados no convívio em sociedade. A mídia comprova diariamente, por meio dos noticiários, a situação caótica em que vivemos. O fato é que princípios fundamentais e basilares foram se perdendo com o passar dos tempos.

Quais aspectos positivos foram trazidos pela legislação brasileira ao longo do tempo no que diz respeito ao Direito de Família?


Eli: A legislação voltada ao Direito de Família têm sido salutar e necessária para dar respaldo às diversas e novas situações que surgem com o passar do tempo. Buscar a proteção da família, que é a base da sociedade, sem qualquer distinção, é de fundamental importância!

Para finalizar, está satisfeita com sua primeira publicação e o que o leitor pode esperar da obra?


Eli: Ainda me parece um sonho, mas à Deus qualquer honra ou glória, pois a família é obra de sua criação!!!
Quanto ao leitor, convoco-o à reflexão, para responder a si mesmo, a seguinte
pergunta:
O que estou fazendo para que a minha família seja estruturada e feliz?

Serviço:
O livro pode ser adquirido no site da MoreBooks:
https://www.morebooks.de/?locale=pt.

Livro mostra mudanças nos costumes das famílias guarapuavanas ao longo de quase um século

Galeria de Fotos